segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Os católicos clandestinos da China

As duas Igrejas da China, a "oficial" e a clandestina, revelam a realidade para qual caminham muitos países do ocidente
Enquanto os púlpitos das universidades brasileiras estão impregnados pelo discurso esquerdista, a ponto de se abrirem Centros para Difusão do Comunismo, como acontece, por exemplo, na Universidade Federal de Ouro Preto, do outro lado do Atlântico, mais especificamente na China, católicos são obrigados a refazer o caminho dos primeiros cristãos perseguidos. É a dura realidade da Igreja Católica clandestina, imposta pela revolução cultural do tirano Mao Tsé-Tung, no início da década de 50, com a criação da República Popular da China. Segundo cálculos do premiado professor de Ciência Política da Universidade do Havaí, Rudolph J. Rummel, cerca de 76 milhões de pessoas foram mortas pelo regime entre os anos de 1949 e 1987.
O advento do comunismo chinês provocou uma avalanche de perseguições à religião. Templos foram profanados, igrejas e conventos fechados, fieis foram mortos. Para evitar o nascimento de novas vocações e a autoridade do Papa, o governo criou em 1957 a Associação Patriótica Católica. Desde então, as relações da Santa Sé com o regime tirânico vêm se arrastando de forma conturbada, sobretudo por causa das sagrações episcopais ilícitas promovidas pela Associação. No ano passado, após romper com o Estado e anunciar que não mais serviria ao regime comunista, o recém ordenado bispo, Dom Thaddeus Ma Daqin, desapareceu. Os católicos acusam o governo de tê-lo aprisionado.
Com efeito, os seminaristas que desejam servir à Igreja precisam enfrentar uma verdadeira jornada, às vezes até indo para outros países, a fim de receber uma adequada formação doutrinal. É o caso, por exemplo, do jovem diácono Tomás Zhang, que sonha em se ordenar sacerdote para a Igreja de seu país. Há seis anos em Pamplona, Espanha, Zhang foi ordenado diácono pelo arcebispo Francisco Pérez. No próximo sete de setembro, será ordenado sacerdote em Navarra. Conforme relata, a vida de um padre chinês não é muito diferente da de outros países, a não ser no que se refere aos cuidados com a segurança. Têm que trabalhar de forma secreta e muitos dormem de dia e trabalham à noite, "quando dormem os policiais, para evitar ir para prisão".
A Igreja Católica chinesa, conta Zhang, é uma autêntica igreja doméstica, uma vez que a maioria das celebrações eucarísticas acontecem nas casas de algumas famílias. Ciente dessa situação conflitante, o Papa Francisco exortou os católicos chineses a serem fiéis ao Sucessor de Pedro, e a "viver(em) cada dia no serviço ao seu país e aos seus concidadãos de modo coerente com a fé que professam". O pedido foi feito em uma das tradicionais audiências gerais de quarta-feira.
Considerando a distância e as circunstâncias diversas nas quais os católicos brasileiros se encontram, a realidade chinesa parece até surreal. Mas não é. O processo de secularização dos países ocidentais caminha a passos largos e o destino final não é muito diferente do dos irmãos orientais. Quando se tem a fé apenas como um pressuposto e se coloca em seu lugar o ativismo social, não demora muito para que esse pressuposto desapareça e o ativismo se torne demagogia. E o Brasil, outrora maior país católico do mundo, é a prova mais contundente disso.
Por: Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. UM ESPANTO E UM ABSURDO: há um Centro de Difusão do Comunismo em uma importante Universidade federal — pago com nosso dinheiro. O currículo inclui até "militância anticapitalista"
  2. Tomás Zhang, diácono en Pamplona, volverá a China como sacerdote clandestino dentro de 2 años
Fonte: padrepauloricardo.org